A Despedida

O casal sentava-se à mesa do romântico restaurante no centro da cidade. Os dedos e os braços se entrelaçavam como um casal de centopeias dormindo de conchinha. Sentavam-se um ao lado do outro, pois não podiam suportar a distância imposta pelas pequenas mesas do restaurante. E assim passavam aquela deliciosa noite de junho, se enroscando um no outro, dando nós nos braços e ocupando duas mesas. Até que ele a olhou fixamente e disse:

– Amor, preciso ir. Não aguento mais.

– Tudo bem, meu bem. Eu entendo. Mas volte logo!

– Voltarei correndo para os seus braços!

– Sim! Volte! Ficarei aqui te esperando com o coração na mão e o peito a suspirar de saudades…

Ele se levantava, dava um passo adiante e voltava para beijá-la vorazmente. Foi assim até que na quinta vez criou coragem e partiu. Partiu rumo ao banheiro. Empurrou a porta com pressa e foi abrindo o zíper antes mesmo de chegar ao vaso, enquanto pensava “Caralho! Preciso mijar!”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s